3 dicas para treinar a Gratidão


Beautiful woman wearing in white dress and straw hat enjoying nature outdoors at sunset.

A gratidão é um sentimento curioso e complexo, na medida em que, apesar de quase todos sabermos o que é, muitos não o experienciam de forma plena.

Sempre ouvimos falar de agradecer pelo que temos e recebemos, seja pela tradição judaico-cristã enraizada na nossa sociedade, seja através das normas da boa educação que nos são incutidas desde cedo. Mas a gratidão é muito mais do que dizer “obrigado/a”: é uma sensação poderosa de reconhecimento e apreciação por algo.

Do ponto de vista psicológico, como todas as emoções, podemos viver a gratidão de uma forma saudável, mas também encontrar alguns obstáculos que podem trazer sofrimento. É importante que, ao praticar gratidão, saibamos o que é, para que serve e como pode ajudar-nos, para que seja possível criar uma mudança positiva e promotora de bem-estar nas nossas vidas.

 

Apreciar o que nos faz bem

Para algumas pessoas, a experiência da gratidão pode ser um grande desafio por surgir acompanhada de sensações de obrigação e de dívida, ou quando se associa a emoções como culpa e vergonha. Por exemplo, uma pessoa com depressão que num momento se sente grata perante um gesto de afeto do seu companheiro, mas imediatamente a seguir se sente não merecedora ou culpada. São vários os momentos em que poderá ser difícil, por diversos motivos, sentirmo-nos gratos. Normalmente, isto acontece perante a adversidade porque outras emoções mais salientes, e com as quais estamos mais familiarizados, ocupam lugar. E não faz mal. Podemos, ainda assim, desenvolver e proteger um espaço para a gratidão ocupar.

A gratidão é válida por si só, e não pesa. Sentirmo-nos agradecidos é afirmar e reconhecer aquilo que existe de positivo, agradável e reconfortante numa relação, situação, momento ou em qualquer parte da nossa existência. A experiência da gratidão é muitas vezes seguida de um conjunto de sensações positivas que guarnecem esse reconhecimento: calma, afeto, alegria, satisfação, esperança, orgulho.

 

Neste sentido, a gratidão é uma emoção, mas também uma capacidade praticável e melhorável com o tempo.

Gratidão

É algo fundamental porque nos orienta, como uma bússola, para partes da nossa vida que nos podem passar despercebidas no meio de outras emoções mais proeminentes. A gratidão permite-nos ter uma visão mais equilibrada da realidade, onde existe espaço para celebrar e apreciar as coisas que nos fazem bem. Assim, pode atuar como um antídoto eficaz nas situações ou momentos em que tendemos a ver o mundo e a vida de uma forma negativa.

 

De volta ao presente

Outro motivo pelo qual sentirmo-nos gratos mais vezes é um caminho para o bem-estar é que a gratidão se pratica no presente. Isto significa que o exercício da gratidão é uma atividade mindful, que nos para e centra num determinado momento e nas sensações que o acompanham. Assim, o treino da gratidão também tem benefícios ao nível da ansiedade e problemas que lhe estão associados.

Mais ainda, gratidão é uma emoção que está profundamente ligada às coisas que são importantes para nós e àquilo que valorizamos na vida. Sentirmo-nos gratos é ter informações sensoriais muito fortes que estruturam a nossa identidade e autoconceito. Por esse motivo, nem sempre nos sentimos gratos apenas pelas coisas boas que acontecem.

Finalmente, a gratidão é algo que podemos dar e receber dos outros, de forma altruísta. Comunicar a alguém que nos sentimos gratos pela sua presença na nossa vida permite o aprofundamento dessas relações interpessoais, promovendo empatia, partilha, proximidade e satisfação.

 

Agradeça e colha os benefícios

Os benefícios de praticar gratidão no dia-a-dia são muitos: ajuda-nos a ter relações melhores, a regular as nossas emoções e a olharmos para o mundo de uma forma equilibrada e mais positiva. Como quase todas as emoções, a gratidão também é contagiante. E são enormes as mudanças que podem surgir se, enquanto comunidade e em escalas sucessivamente maiores, conseguirmos aprender a notar e a apreciar, de uma forma pura, o que de bom nos acontece.

Fica o desafio: comecemos por este ano que passou.

 

Como podemos treinar este músculo?

  1. Notar o que existe de agradável e de positivo na vida. Naturalmente, isto varia muito de pessoa para pessoa. Para alguns significa notar quais os aspetos que apreciamos nas nossas relações mais próximas. Para outros pode significar reparar na sensação de dar o primeiro mergulho do ano no mar. Parar para simplesmente tomar consciência de como apreciamos algo é um bom primeiro passo.

 

  1. Escrever as coisas pelas quais nos sentimos agradecidos. Todos os dias têm algo que podemos apreciar, mesmo que pareça insignificante. Refletir sobre estes momentos ajuda-nos a praticar a gratidão de uma forma deliberada. Este registo também pode ser um recurso importante para utilizarmos nas alturas em que estamos mais em contacto com emoções desagradáveis.

 

  1. Refletir sobre algumas questões:
    • Quais são as coisas da minha vida que realmente valorizo?
    • Quem são as pessoas a quem eu gostava de agradecer? E pelo quê?
    • O que é que tem corrido bem na minha vida até agora?
    • Que pequena alegria tive hoje?

 

Inês Amaro

Psinove

https://www.psinove.com/

Artigo originalmente publicado na revista Zen Energy Setembro, nº 152.
Anterior Stress e esgotamentos: 3 fontes que interferem com o bem-estar
Seguinte Dia Mundial da Doença de Alzheimer