7 dicas para nutrir os relacionamentos durante as férias


Happy surfer couple with surfboard having fun on the beach, smiling, spending time together. Sporty people. Real people emotions. Extreme surfing sport and youth relationship lifestyle concept

Verão, calor e férias andam de mãos dadas para uma grande parte das pessoas. Este período privilegiado de pausa representa uma excelente oportunidade para reciclarmos a nossa forma de estar, reinvestirmos nos relacionamentos com as nossas pessoas e aproveitarmos esses momentos com atenção plena e com sentido.

Passamos a maior parte do ano mergulhados em responsabilidades inerentes ao trabalho, nomeadamente neste último ano e meio de pandemia, em que atravessámos períodos mais desafiantes. A acumulação de diferentes papéis e tarefas tem implicado um desagaste físico e emocional para muitas pessoas. Aproveitar o período de férias é, por isso, crucial, sendo uma altura do ano em que o verbo abrandar se torna um saudável imperativo.

Viver as férias de-va-gar é abraçar mais tranquilidade; é desacelerar e retornar ao essencial. Esta pode mesmo ser das melhores ferramentas para se distanciar deste ano exigente. Depois de tantos meses de isolamento social, a suposta abundância de tempo deveria ter significado o momento ideal para colocarmos em marcha este estilo de vida. No entanto, na realidade, o que parece ter acontecido foi que, embora tenhamos passado mais tempo em casa, estivemos a trabalhar mais do que nunca e em várias dimensões em simultâneo.

 

Ligações saudáveis

Vale a pena permitir-nos usufruir das férias de forma prazerosa. Quando há crianças importa sistematizar um tempo e um espaço para estar verdadeiramente. Podemos aproveitar para romper com o piloto automático e com as rotinas, não havendo benefício em fazer programas demasiado rígidos ou controlados, pautados por horários estanques e compromissos diversos.

É fundamental que os adultos ofereçam a si próprios a possibilidade de viver esta pausa de forma mais leve, bem como deixar as crianças mais livres, com todo o tempo do mundo apenas  para fazer nada, uma vez que potencia a criatividade, a imaginação e a própria integração das vivências. Mais importante que os pais brincarem com as crianças é partilharem algo, momentos em conjunto, terem experiências que aumentem a conexão e a cumplicidade.

 

Os relacionamentos com família e amigos são fundamentais para o nosso bem-estar global.

 

Considera-se que as relações são saudáveis quando há, sobretudo, espaço para a autenticidade, aceitação, admiração e não julgamento. Porém, é frequente assistirmos a relações pautadas por barreiras que afastam as pessoas e abrem espaço para distanciamento emocional. Ter relações saudáveis não é uma questão de sorte.

É necessário muito investimento e trabalho na manutenção da relação. Nas férias, existem relacionamentos que podem ser afetados de alguma forma, na medida em que passamos do modo fazer para o modo estar e sentir. Passamos a estar muito mais disponíveis e, embora à partida isso seja positivo, para algumas pessoas pode representar um desafio, uma vez que as eventuais lacunas da relação ficam mais visíveis. Não obstante, é também uma ótima oportunidade para restaurar as relações, podendo representar uma alavanca para novos começos dentro de cada relacionamento.

Importa recordar que o ser humano é um ser relacional e é nas relações humanas que encontra elementos fundamentais que complementam a sua individualidade. Quer na dimensão pessoal, quer profissional, a nossa vida está sempre ligada a outras vidas. Através desta troca podemos desenvolver-nos, crescer e evoluir, e há que aproveitar esta pausa para ampliar este valioso potencial de conexão humana.

 

Sete dicas para nutrir os relacionamentos durante as férias:

  1. Desacelerar: É frequente, nos tempos que correm, a sensação de se estar constantemente a caminho de algum lugar, em que há sempre algo a ser feito. Paralelamente, existe a constante busca pela perfeição a par da autoexigência. Muitas vezes, acabamos por deixar de aproveitar os momentos. Vivemos em modo robótico. Há que abrandar o ritmo para experimentar os momentos bons de forma mais consciente.
  2. Escutar o corpo (físico, mental e emocional): Nas férias impera a sensação de liberdade. Importa dar a informação ao corpo que estamos num período de pausa; há que ampliar a conexão connosco próprios e abraçar mais equilíbrio, de forma a termos também mais disponibilidade mental no relacionamento com os
  3. Gerir expectativas: Por vezes, tendemos a idealizar o período de férias, o que pode abrir espaço a frustrações quando a realidade não vai ao encontro da expectativa; importa dosear as expectativas e ir, acima de tudo, com leveza na
  4. Privilegiar momentos para a individualidade: Se as nossas necessidades como pessoas individuais estiverem suficientemente preenchidas, teremos mais espaço psíquico para a relação com o nosso parceiro, filhos e restante família ou amigos; devemos procurar ter os nossos próprios interesses e hobbies.
  5. Aprender a comunicar/escutar: Para termos bons relacionamentos importa desenvolver um diálogo não violento, como potenciar a nossa capacidade de escuta ativa, abrandando o automatismo de tecer logo a nossa opinião sobre qualquer assunto. Este mecanismo permite-nos conhecer melhor as pessoas e abrir canais de comunicação mais
  6. Introduzir diversão: Vale a pena aproveitar o tempo para dar resposta às necessidades na dimensão aventura e diversão, fazendo algo diferente do Quanto mais experiências de significado tivermos, mais estaremos a fomentar a conexão e a aprofundar as relações.
  7. Flexibilizar: A vida tem muitas responsabilidades e desafios, regras e rotinas. Como tal, é fundamental haver espaço para a flexibilidade. Não levarmos tudo de forma tão séria, não sermos tão rígidos connosco e com os outros. Vale a pena calibrar as lentes e olhar para o período de pausa como algo sagrado, uma oportunidade para abrandar o corpo, aquietar a mente e ampliar os níveis de consciência com o ser e o

 

Helena Paixão | Instagram

Psicóloga Clínica

Facebook: Helena Paixão – Psicóloga

Anterior Yoga do Riso - vamos praticar?
Seguinte Entrevista | Sofia Castro Fernandes, autora de Acredita Coisas Boas Acontecem