Alimentação na Diabetes – Vamos desmistificar?


Grilled chicken meat and fresh vegetable salad of tomato, avocado, lettuce and spinach. Healthy and detox food concept. Ketogenic diet. Buddha bowl in hands on white background, top view

As necessidades alimentares e nutricionais de uma pessoa sem diabetes não são diferentes das necessidades de uma pessoa com esta patologia, sendo que ambas devem ingerir uma variedade de alimentos para manter o seu crescimento e desenvolvimento normal.

A principal diferença é que a quantidade, a qualidade e o tempo são elementos que devem ser cuidadosamente regulados através da ação da insulina.

Antes de mais, é importante identificar as diferenças entre os dois tipos de diabetes – a Diabetes Tipo 1 (DT1) e a Diabetes Tipo 2 (DT2).

  • A DT1, de cariz inevitável, tem origem na destruição das células produtoras de insulina do pâncreas pelo sistema de defesa do organismo. A hormona que leva a glicose (açúcar) a entrar nas células é, desta forma, produzida em pouca quantidade ou inexistente. É o tipo mais comum entre crianças e jovens.
  • A DT2, que pode ser prevenida, surge quando o pâncreas não consegue produzir insulina em quantidade suficiente ou esta não é utilizada de forma eficaz pelo organismo. Pode passar despercebida durante anos e ocorre, geralmente, a partir dos 40 anos. O envelhecimento, o sedentarismo e hábitos alimentares incorretos são alguns dos fatores que estão na sua origem.

A alimentação da pessoa com diabetes deve ser planeada no sentido de encontrar o equilíbrio entre as necessidades nutricionais, o tratamento, com recurso a medicação oral ou insulina, e ainda a atividade física. O grupo de nutrientes a que se tem que dar mais atenção é o dos hidratos de carbono, vulgarmente denominados por “açúcares”, dando preferência aos complexos (ex: pão integral ou de mistura, massa, arroz), pois não provocam um aumento muito rápido da glicemia, em comparação com os hidratos de carbono simples (ex: açúcar tradicional que adquirimos no supermercado ou o que está contido num bolo recheado de creme).

 

Glicemia controlada

No Dia Mundial da Alimentação, partilhamos algumas estratégias para melhorar o equilíbrio da glicemia, evitando as suas alterações (hipoglicemias e hiperglicemias):

  • Aprender a ler os rótulos alimentares, identificando os “hidratos de carbono” presentes nos alimentos e promovendo escolhas mais saudáveis;
  • Preferir alimentos com hidratos de carbono mais complexos, isto é, que não provocam aumentos rápidos de glicemia (hiperglicemias);
  • Saber como substituir os alimentos do plano alimentar (ex: substituir o arroz pelo grão e outras leguminosas), mantendo a quantidade de hidratos de carbono prevista para a refeição;
  • Elaborar receitas saudáveis e mais apetecíveis, ao invés de refeições com um teor aumentado de gordura, sódio e açúcares adicionados;
  • Fazer intervalos de 2 a 3 horas entre as refeições;
  • Aumentar o consumo de água ao longo do dia, procurando beber cerca de 1,5 litros diariamente.

 

Iniciativas

A Associação de Jovens Diabéticos de Portugal (AJDP) promove diversas iniciativas ao longo do ano para promover um estilo de vida saudável e prevenir e gerir a diabetes. Nas iniciativas de cariz educacional, dinamizamos o projeto “AJDP nas Escolas” através de sessões de esclarecimento sobre a patologia em escolas, empresas e outras entidades. A nível alimentar, temos os Brunchs Vitaminados, em que apresentamos soluções mais saudáveis para a alimentação de toda a população. Promovemos igualmente iniciativas ao nível do desporto, como a Colónia de Férias Desportivas de verão, destinada a jovens com diabetes, caminhadas e fins-de-semana de convívio abertos a toda a população. Temos ainda o projeto DiabPT United, com uma equipa de futsal formada por jovens com diabetes, entre muitas outras. Procurem por nós em www.facebook.com/JovensDiabeticos e www.ajdp.org.

 

Jenifer Duarte
Presidente da Associação de Jovens Diabéticos de Portugal (AJDP)

Anterior “Outubro Rosa” - Cancro da mama
Seguinte A chegada da menopausa