Entrevista a Elisabeth Barnard, diretora da revista Zen Energy


As nossas revistas respondem à procura incessante das pessoas para estarem bem e em paz com a vida…”

A Vasp – Distribuidora de Publicações entrevistou Elisabeth Barnard, diretora da revista Zen Energy, a propósito dos conteúdos oferecidos pelas revistas do grupo ZenElly e como podem ser uma mais-valia na fase particularmente difícil que estamos a viver, abordando ainda o lançamento de futuros projetos e a relação com a distribuidora.

———————————————

Apesar de ainda não conseguirmos prever o real impacto desta crise pandémica, sabemos que trará graves consequências a nível psicológico, económico e social. Quais as ferramentas que os leitores poderão encontrar nas publicações da ZenElly para minimizar os receios, os medos e a ansiedade que surgiram durante a Covid-19?

O verdadeiro desafio é aprender a viver bem neste mundo complexo, injusto e desafiante, sobretudo no contexto desta nova crise que irrompeu nas nossas vidas como um tsunami e que trouxe mudanças radicais a todos os níveis, deixando-nos mais frágeis e vulneráveis do que nunca. No entanto, podemos sempre escolher entre entregarmo-nos às situações adversas que estamos a viver e a experienciar ou enfrentá-las com coragem e alguma resiliência, aprender com elas e crescermos enquanto indivíduos e sociedade. A nossa revista ZenEnergy, mas também a Reiki & Yoga, a Vida & Saúde Natural, a S.O.S e a Viva Agora – Carpe Diem foram concebidas para apoiar os leitores que desejam uma vida boa, uma vida com sentido, que querem lidar bem com as questões e os desafios do dia-a-dia, de modo a posicionarem-se nos seus relacionamentos, na comunicação com os outros, no trabalho, na gestão das suas emoções, na prevenção e compreensão das doenças. Os temas abordados nas nossas revistas são abrangentes e têm a vantagem de serem escritos por profissionais de saúde de várias áreas, como psicologia, nutrição, educação, coaching, etc. Os artigos, exercícios, reportagens e entrevistas têm a ambição de informar, formar, partilhar conhecimentos, ensinar, transmitir valores, inspirar para que o leitor possa questionar, raciocinar, analisar, compreender e aplicar na sua vida. Afinal, as situações difíceis abrem a porta da transformação, do crescimento emocional e intelectual e, por que não, espiritual para estarmos bem connosco próprios e com os outros.

Esta é, sem dúvida, uma oportunidade para implementar mudanças favoráveis e traçar novos objetivos de vida. Pretendem lançar alguma novidade nos próximos meses para incentivar os leitores a encarar esta nova realidade de modo mais positivo e otimista?

Iremos lançar brevemente uma plataforma digital de bem-estar físico, mental e emocional com novas formas de partilhar conhecimento (vídeos, podcasts, etc.), com a proposta de oferecer diversidade de conteúdos aos nossos leitores e uma oferta quase ilimitada de assuntos e temas. Temos também um projeto inovador para uma nova revista mais futurística que não vamos revelar ainda e que foi adiado devido à crise, mas que esperamos poder lançar ainda este ano.

Considera que o facto de estarem posicionados na área do desenvolvimento pessoal poderá ser um fator diferenciador para fidelizarem novos leitores neste momento?

Vivemos numa era de grande competitividade e muita pressão. Por isso, a resistência física, mental e emocional são fundamentais. Ouvi muito dizer que somos o resultado das nossas escolhas e, efetivamente, isso faz sentido. Na realidade, podemos sempre escolher entre continuar “a viver na caverna”, onde nada nos pode acontecer, ou sair para a luz e lutar pelas nossas vontades e concretizar os nossos sonhos. A maior parte da sociedade moderna está em conflito, porque as pessoas executam atividades que não são delas e com as quais não se identificam. Isto tem de mudar. As nossas revistas fazem hoje mais sentido do que nunca, na medida em que apoiam os leitores a adotarem a atitude certa perante as vicissitudes do dia-a-dia, a lutarem com garra pela vida que merecem. Ao aproveitarem estes momentos de insatisfação, incómodo e infelicidade podem encontrar maneiras diferentes, melhores, mais positivas de namorar, de comunicar, de se comportar, de trabalhar e de estar na vida. Tenho a profunda convicção de que a nossa vida exterior é o reflexo da nossa vida interior e que existe uma relação direta entre o modo como pensamos e sentimos, e o modo como agimos e vivemos. Os nossos relacionamentos, saúde, prosperidade e posição na sociedade são, na maioria das vezes, expressões do mundo interior enquanto indivíduos.

Quer aproveitar para dar alguma dica de exposição das vossas revistas aos pontos de venda?

Os pontos de venda são fulcrais para um bom posicionamento na banca e para boas vendas. Felizmente, já temos uma colaboração de longa data com a Vasp e a maior parte dos pontos de venda já sabe como posicionar as nossas revistas, para que o leitor as encontre com facilidade. Todos vendemos revistas, quer seja a gráfica que as imprime, a editora, a distribuidora ou os pontos de venda, e temos de estar alinhados para conseguirmos oferecer aos leitores conteúdo de qualidade, mas também um excelente serviço e facilidade de procura na banca. Como sempre, o grande desafio está na visibilidade da revista e existem sempre formas de melhorar e inovar para que as revistas, inclusive as nossas, conquistem um lugar de predileção na banca e no coração do leitor. Abrir caminhos nunca é fácil e nós fomos pioneiros nesta matéria. As nossas revistas respondem à procura incessante das pessoas para estarem bem e em paz com a vida, e acho que merecem o carinho dos pontos de venda, pelo qual já estamos muito agradecidos.

Qual o balanço que fazem desta parceria com a VASP?

Temos uma relação muito próxima com a Vasp. São muito profissionais e têm uma grande experiência do mercado português. Dão sempre bons conselhos e a nossa colaboração assenta no respeito mútuo e no profissionalismo. São a única distribuidora em Portugal, mas não se servem deste facto para se aproveitarem da posição privilegiada que ocupam, bem pelo contrário! Podemos não ser a maior editora, mas temos, no entanto, a impressão de ocupar um lugar importante na agenda da Vasp, tal como, suspeito eu, todos os outros editores mais pequenos, e isso dá-nos ainda mais alento e confiança para o futuro.

 

Vasp – Distribuidora de Publicações, SA

Anterior Ser pobre é um entrave a felicidade?
Seguinte Entrevista a Elisabeth Barnard, diretora da Zen Energy

Nenhum Comentário

Deixar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *