Mindfulness: meditar de olhos abertos em 8 passos


Two sportive women meditating and doing yoga at the beach - Beautiful girl wearing activewear - Women meditating in the desert

Há mais de 40 anos que as evidências científicas vieram juntar-se ao empirismo e exclamar que a meditação de Atenção Plena, ou momento Mindfulness formal, ajuda muito a equilibrar o sistema nervoso e a alcançar uma sensação de bem-estar mais duradoura.

 

Durante muitos anos, a nossa medicina “ocidental” não entendia muito bem o que afirmavam as teorias orientais sobre o ser humano. Tanto a definição separatista de “cabeça, tronco e membros”, como o apontamento constante de “pensa bem no que fizeste” – remoer no passado – e o “pensa bem no que queres para o futuro”, desorientaram o indivíduo e tornaram-no demasiado ancorado no passado e excessivamente preocupado com o amanhã.

 

  • Estas viagens mentais entre o ontem e o amanhã, para além de acentuarem estados depressivos e de ansiedade, também têm outro senão: significam que estamos sempre em “piloto automático”. O sistema nervoso não se orienta por um tempo “espacial” como a nossa consciência. Para ele, não há passado nem futuro. Só há o que pensamos e sentimos. Portanto, sempre que estivermos em piloto automático favorecemos a resposta ao stress, que em demasia não é de todo saudável.
  • Quando estamos mais atentos ao presente, a mente está em “casa” e o sistema nervoso age de acordo com isso. São, assim, produzidas hormonas e neurotransmissores que se adequam ao que, realmente, estamos a viver no aqui e agora. Desta forma, passamos a ter níveis de stress mais equilibrados. Há espaço para mais momentos de paz e de tranquilidade, e todo o nosso organismo agradece.

 

Exercício Mindfulness: Desprenda-se do ontem, liberte-se do amanhã

Ainda que possamos ter muitos momentos mindful de atenção plena ao presente, através de uma simples atividade informal, podemos sempre parar de outra forma, de uma forma mais profunda, pela mão do momento meditativo formal (momento de meditação propriamente dito, onde também nos encontramos com o nosso Eu) ou da contemplação profunda (onde, com consciência do nosso Eu, observamos o que nos circunda com intensidade).

Hoje, o exercício proposto é o de meditar através da contemplação profunda. Todos sabemos como contemplar algo, mas não deixa de ser interessante observar de forma diferente do usual. Aqui ficam as diretrizes para um momento meditativo de olhos abertos:

 

  1. Escolha um sítio ao ar livre onde possa estar a sós e confortável. Pode ser num jardim, desde que a vista não esteja muito limitada, mas dá-se preferência a uma paisagem onde o olhar se possa estender, como uma planície, praia, montanha, etc.;
  2. Comece por fazer três inspirações e três expirações conscientes, de forma a trazer a sua mente agitada ao corpo que já não está em movimento;
  3. Contextualize-se, sinta que está mesmo “aí e agora”, sentindo que o seu corpo está nessa posição, nesse sítio, e que já não está onde estava “há bocado”;
  4. Intensifique a ancoragem ao momento, sentindo os cheiros que estão à sua volta, vendo as cores e texturas do cenário onde se encontra;
  5. Observe a paisagem como se fosse a primeira vez que a está a ver e como se tivesse nascido agora. Observe como é o mundo aí, nesse local;
  6. Sinta-se sentado na superfície da terra mãe, não como um visitante, mas principalmente como um filho da mesma;
  7. Fique assim, a olhar, observando e sentindo a vida do planeta. Sinta que ele está vivo, está aí para si e você para ele;
  8. Sempre que se perder a pensar noutros assuntos, inspire, expire e volte à contemplação.

 

Quando o seu tempo mental acabar, não se levante depressa. Se conseguir, agradeça ao seu Eu pelo momento e só depois regresse à sua vida “lá fora”. Guarde, também, as boas sensações que surgirem. Guarde-as no coração e vá buscá-las sempre que desejar.

 

Vanda do Nascimento | Instagram

Terapeuta e Instrutora de Mindfulness

mindfulnessessencial@gmail.com

Versão original deste artigo publicada na revista Reiki & Yoga pocket. nº 12.

 

 

Anterior 5 junho: Dia Mundial do Ambiente - o Planeta nas nossas mãos
Seguinte Qual o segredo das Líchias? Conheça 5 dos seus benefícios