Não desista da vida!


Attractive young woman keeping eyes closed and smiling while standing outdoors

Como ter alento na vida e manter a esperança em dias de escuridão?

Estamos num contexto mundial esmagador. Como ficar com a alma bem e em paz? Como ficar sereno e tranquilo quando a morte provocada pela Covid-19 nos rouba conhecidos, parentes, amigos, assustando-nos diariamente com os números apresentados pelas estatísticas?

Como ficar bem, se sabemos que tudo isto provocou muitas mortes devido à falta de assistência adequada em hospitais ou à realização de procedimentos médicos que deveriam ser feitos e não foram por priorização da contenção da pandemia? Como ficar bem, se assistimos a cada vez mais casos de desemprego, fome, disfunções emocionais? Como ficar bem, se 11 meses depois, quando tínhamos esperança de que tudo estivesse mais brando e a vida pudesse regressar ao seu ritmo normal, vemos a nossa liberdade ser transgredida com as medidas adotadas para o controlo desta pandemia? Como ficar bem emocionalmente, se as nossas vidas foram radicalmente alteradas, o nosso direito de ir e vir foi interrompido, a nossa interação social foi proibida ou limitada?

Criar estratégias

O contexto é realmente esmagador, mas numa guerra – e não deixamos de estar numa -, a grande luta é pela sobrevivência. Agora não nos resta outra saída, a não ser tentarmos manter a calma e a sabedoria para a criação de estratégias e para cada um fazer o melhor possível para sobreviver à dificuldade ou à dor que enfrenta, seja pela perda de um ente querido ou de algo que era muito importante, como um sonho transgredido, por exemplo.

Cada um de nós precisa de deixar de lado as lamentações, o negativismo, a irritabilidade, a raiva pelo que está a acontecer e/ou pela forma com que as autoridades governamentais estão a gerir o processo. É crucial cuidarmos do nosso processo, da nossa vida, da nossa saúde emocional, da nossa saúde financeira, do nosso contexto pessoal. Resta-nos prestar atenção ao que podemos construir, ou reconstruir, tendo em conta o que nos restou ou ainda nos resta. E consoante a realidade de cada um, e na posse de um pensamento que agora exige uma certa frieza e lógica, sem a interferência das emoções negativas, acabaremos por criar estratégias para melhorar o contexto pessoal. Ver uma luz nesta grande escuridão onde todos nos encontramos, neste contexto mundial onde ninguém gostaria de ter um dia testemunhado, quanto mais ser personagem deste triste enredo…

Produzir bem-estar

Neste momento, poderá estar a perguntar: “O que fazer se a minha saúde emocional está abalada? O que fazer se estou doente emocionalmente? O que fazer se estou a ter sintomas de ansiedade e depressão? O que fazer se estou sem motivação e sem energia?”. Na realidade, de uma forma ou de outra, todos temos algum tipo de abalo emocional, mas à semelhança de um contexto de guerra, a luta é maior do que esta. É quase uma luta pela sobrevivência e para perdermos o mínimo possível, porque acredito que inevitavelmente todos perdemos algo desde o início da pandemia.

Enquanto terapeuta, aconselho a não se focar na morte nem em nada do que possa convergir para morte em vida, como medos, lamentações, negativismo, reclamar, vitimizar-se, lamentar-se, maldizer, julgar… Sugiro que, mesmo que se sinta menos bem, procure no mais profundo do seu ser alguma energia. Use-a a seu favor, coloque a atenção no que é positivo, no que é construtivo, no que tem de bom. Sugiro que converta a sua energia em gratidão. Agradeça o que tem, o que não perdeu, a vida que ainda permite a morada da sua alma. Sugiro que repreenda as emoções negativas.

Quando sentir medo, repreenda-o. Diga para si mesmo que vai ficar tudo bem, que você e todas as pessoas que ama estarão protegidos. Sugiro que afaste o pensamento negativo e evite verbalizações negativas como: “E se eu perder o emprego?”, “A minha empresa está a passar por dificuldades”, “O meu amigo foi despedido, acredito que serei o próximo”; “O meu concelho está numa zona de risco. A qualquer momento posso apanhar o vírus”. Quando tiver pensamentos negativos deste género, afaste-os. Dê sugestões positivas a si mesmo e contrarie esta forma de pensar.

Procure estratégias ou ajuda profissional para ajudar a diminuir os sintomas, caso esteja a passar por depressão ou ansiedade. Se não tiver condições financeiras para procurar a ajuda de um profissional, adote medidas alternativas como meditar ou exercícios de respiração. Por exemplo: respire bem fundo e conte até 5. Prenda o ar e conte até 5. Solte o ar devagar e conte até 7. Repita este exercício cinco vezes seguidas e cinco vezes durante o dia em horários diferentes. A respiração compassada reduz os níveis de noradrenalina e ajuda a baixar a ansiedade. Pode ainda fazer caminhadas, no mínimo, três vezes por semana. Durante o percurso concentre-se no que é positivo, no que de bom tem na sua vida. Beba muita água e opte por uma alimentação saudável, para fortalecer o sistema imunitário e a saúde emocional. Leia, pratique atividades de que gosta e que ainda são permitidas. Converse com amigos, mesmo que virtualmente.

Foque-se no bem

Não podemos recuperar as vidas perdidas. Talvez não possamos trazer de volta o que perdemos, nem o tempo roubado com esta pandemia… Mas enquanto nos restar vida, é importante não lutar contra aquilo que não podemos vencer. Vamos fazer o melhor possível perante aquilo que temos, sem esquecer que a nossa principal missão de vida é crescer e evoluir. Em vez de chorar, sofrer, reclamar, concentre-se no poder de construção, de ensinamento e de evolução que esta grande dor a nível mundial provocou em cada um de nós.

É verdade que estamos num contexto de perda, sofrimento, sonhos interrompidos, rotinas transgredidas, mas tudo piora quando experienciamos a morte em vida. Portanto, convido-o para a vida, para se focar no que tem de bom, para agradecer a oportunidade de viver. Convido-o a cuidar da saúde emocional, a acreditar que tudo pode ser tratado e resolvido.

Só existe uma coisa que não tem solução: o momento em que deixamos de respirar. Mas não se esqueça que enquanto houver vida, há esperança e poder de reconstrução!

Dra. Reliane de Carvalho | Facebook | 960445433

Anterior O casal e as rotinas - Quebrar, mas também aceitar…
Seguinte Não é fácil, mas é possível! Cumprir.