Retenção de líquidos: o que pode comer e o que deve evitar


Woman tanned skin legs sunbathing on the white sand beach with the blue sky and sea in the background, Summer holidays and vacations concept.

Em O Grande Livro da Alimentação Saudável (editora Contraponto), Ágata Roquette partilha receitas saudáveis, ensina-o a comer melhor e a fazer frente aos problemas digestivos mais comuns. Um deles é a retenção de líquidos!

Por vezes, o corpo não consegue eliminar os fluidos em excesso e estes acumulam-se nos tecidos, provocando edema (inchaço), sobretudo nas pernas, tornozelos, mãos e abdómen. A isso chama-se retenção de líquidos. É um mal do qual se queixam sobretudo as mulheres. A retenção de líquidos pode fazer com que a pessoa aumente até dois ou três quilos de peso, mas a condição também pode provocar outros efeitos, como sensação de pernas pesadas, pernas e mãos visivelmente inchadas (sobretudo no verão, o que poderá tornar o uso de calçado extremamente desconfortável), distensão abdominal, cãibras e mal-estar geral.

 

O que pode causar a retenção de líquidos?

Existem várias causas potenciais para a retenção de líquidos, que vão desde comportamentos e hábitos menos adequados a outros problemas de saúde:

 

  • Alimentação incorreta e à base de produtos altamente processados;
  • Consumo excessivo de sal;
  • Carência de micronutrientes, como vitaminas e sais minerais (por exemplo, magnésio e potássio), que contribuem para a regulação de fluidos;
  • Sedentarismo;
  • Excesso de peso;
  • Doenças renais, da tiroide (hipotiroidismo), cardíacas ou má circulação sanguínea;
  • Toma de alguns medicamentos;
  • Passar muitas horas de pé ou sentado;
  • Uso de roupa demasiado apertada;
  • Flutuações hormonais, designadamente no período pré-menstrual e durante a gravidez.

 

Como minimizar?

Para ajudar a tratar a retenção de líquidos, é recomendável:

  • Reduzir o consumo de sal e substituí-lo por ervas aromáticas com ação diurética como a salsa, o funcho ou o estragão, ou, em alternativa, por especiarias como o açafrão-da-índia;
  • Evite comer alimentos com muito sal ou sódio (incluindo o monoglutamato sódico, um intensificador de sabor bastante frequente em alimentos altamente processados como batatas-fritas de pacote, enchidos, caldos e molhos);
  • Beber bastante água para facilitar a excreção do sódio e dos fluidos acumulados, de preferência com algumas gotas de sumo de limão para potenciar o efeito diurético;
  • Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas;
  • Consumir mais alimentos ricos em magnésio, como cereais integrais, frutos secos gordos (avelãs, nozes, amêndoas), e em potássio, como leguminosas (grão, feijão) e hortofrutícolas em geral;
  • Fazer exercício físico regularmente.

 

Exercícios que podem ajudar:

  1. Ao final do dia, deite-se e eleve as pernas acima da altura do tronco (pode usar almofadas para o efeito).
  2. Com as pernas ligeiramente elevadas, mova as pontas e os dedos dos pés para trás e para a frente, repetindo várias vezes.
  3. Deite-se e, com a ajuda de uma banda elástica para exercício presa nas plantas dos pés, puxe a ponta do pé para si e o calcanhar para cima.
  4. Ponha-se em bicos dos pés e depois faça o inverso, apoiando o peso do corpo nos calcanhares, em movimentos lentos e repetidos.
  5. Se o inchaço se verificar nas mãos, apoie bem o cotovelo e, com a ajuda de uma bola entre as mãos, mova os punhos em movimentos circulares.

O Grande Livro da Alimentação Saudável - retenção de líquidos

Roquette, Ágata (2020) O Grande Livro da Alimentação Saudável. Contraponto

Artigo originalmente publicado na revista Vida & Saúde Natural, nº33.
Anterior Depressão e ansiedade: Ser ou estar? - 5 estratégias
Seguinte Gerir o stress: Desacelerar o coração em 5 passos