Saiba caminhar sem pressa…


Lovely woman on the bicycle is picking fresh apples from the tree in the village garden

E se não houver amanhã?

Vivemos focados no passado com mágoas e rancores, saudosismos e arrependimentos. Vivemos no futuro com expectativas, sonhos, desejos, medos e ansiedades. Vivemos a vida dos outros, a inveja pelo sucesso, a compaixão pela infelicidade dos outros. Respiramos o mesmo ar todos os dias, mas nem sabemos como o fazemos, pois é automático.

O automatismo da respiração passa por uma metáfora da vida real: vivemos em modo automático sem pensar no que estamos a fazer, sem poder de escolha, sem vontade própria para decidir. Apenas seguimos em frente para lado nenhum.

Então, como é que desligamos o modo automático e passamos a viver ao volante da nossa vida? E se não houvesse amanhã, mudaríamos alguma coisa?

Focar no presente

Em primeiro lugar, quando pego no volante da minha vida, estou realmente a sentir o poder nas minhas mãos. Sou eu que decido para onde vou. Começo por delinear um objetivo para o momento presente: se quero estar aqui ou noutro local. Se a resposta for a segunda opção, devo saber como chegar lá e quanto tempo demoro, se necessito ou não de fazer algumas paragens. Depois do plano, vem a viagem: mais importante do que a própria chegada. Desfrutar da viagem é como saborear uma deliciosa refeição, sem ansiedade e sem pressa.

Então, porque é que tantos preferem correr a um ritmo desenfreado para ter tudo sempre em ordem, esquecendo-se de apreciar o processo de se construir ou fazer algo? Uma viagem baseia-se em querer muito chegar ao destino, mas se não estivermos atentos ao caminho e se não apreciarmos a paisagem, servirá de alguma coisa? Assim é a vida: crescer implica aprender. Para aprender, necessito de tempo e o tempo já tem o seu próprio processo. É tão fácil o nosso pensamento ser sequestrado pelo passado e arrebatado pelo futuro, que o dia começa e acaba como se fosse um relâmpago. A única forma de viver no agora é livrar-se do apego aos resultados no passado e das preocupações com o futuro para avançar e dar um passo de cada vez.

Meditação emocional para o presente

Meditar e vivenciar a experiência de estar vivo começa com um ponto importante: a respiração. Quando vivemos em modo automático, não respiramos. Apenas absorvemos o ar, ou seja, o nosso corpo sofre por excesso porque não filtra e assimila atempadamente. Nós não filtramos o que nos chega. O medo, a ansiedade, a frustração e a raiva são emoções que coíbem o bom funcionamento do pensamento estratégico e emocional, e por esse motivo não gerimos bem toda a nossa estrutura. O importante é corrigir a respiração enquanto forma de gerir o resto. Só posso concentrar-me no momento atual e, assim, concentro-me na respiração, normalizada, pausada e virada para dentro. O meu tempo é precioso. O meu corpo é o meu templo. A minha mente é o meu guia: controlo o meu pensamento para o agora e isso condiciona tudo o que se vai passar a seguir.

 

  • Mantras para esta Meditação:

Poderá fazê-la ao fim do dia ou ao acordar.

Eu agradeço o que tenho, o meu dia, o meu alimento, o meu sustento e os que me são importantes.

Eu não julgo os outros ou a mim mesma. Somos todos seres erráticos e passíveis de mudanças, se quisermos melhorar a nossa presença onde quer que estejamos.

Eu aceito-me e aceito o que me é oferecido, não de forma superficial, mas sim profunda, pois tudo pode ser sujeito de aprendizagem, basta eu querer.

Eu elogio-me, porque sou a pessoa mais importante e bonita da minha vida.

Eu vivo em comunhão com a natureza, respeitando-a e preservando-a: sem ela não tinha um “lar”.

Sandra pereira
Life Coach e Formadora de Gestão Emocional
sassacoaching@gmail.com
937 891 927

Anterior Descubra My Zen Moment
Seguinte Solução para todos os males? - Genética

Nenhum Comentário

Deixar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *