Tema do Mês Paz… de espírito!


A sexy girl in a white shirt sits on a driftwood in the lotus position near the river. The concept of outdoor recreation.

Não é o que todos desejamos? Sentirmo-nos bem, leves e em estado de permissão em relação à vida? Julgo que sim. Contudo, também tenho observado (e experienciado) que nesta busca incessante pela paz, acabamos por criar ainda mais tensão e ansiedade se não estivermos atentos.

Sempre que reflito acerca destas matérias gosto de pensar na metáfora da borboleta. Lembre-se que as borboletas só pousam nos ombros daqueles que têm a capacidade de permanecer serenos, pois só assim lhes dão a confiança necessária para relaxarem na serenidade da sua presença.

Celebra-se no dia 21 de setembro o Dia Internacional da Paz. Pergunto-lhe, por isso, quão em paz se encontra? Consigo mesmo. Com os que lhe são mais próximos. Com a comunidade em que se insere. Com o mundo. Sente a vida a fluir através de si ou tem-lhe resistido? Sente-se num estado de leveza e bem-estar ou passa os dias ansioso, à espera de que algo de menos bom aconteça? Quando abordo o tema paz tenho uma condição: colocar o centro da análise na pessoa, e não no mundo.

Não me faz sentido falar de paz no coletivo, se o individual não for devidamente explorado e compreendido previamente. O estado do mundo não é mais do que a soma e conjugação dos biliões de estados individuais. Se cada um de nós conseguir curar-se, curamos o planeta. Se cada um de nós conseguir compreender-se, compreenderemos a beleza da vida e a dádiva que é podermos usufruir desta dimensão física.

 

Foco para combater entraves

Como é que se sente neste momento? Ofereça esta resposta a quem é verdadeiramente, à sua essência. Que tipo de emoções está a experienciar neste exato momento? Sente-se tranquilo, feliz e confiante no futuro? Ou, pelo contrário, está irritado, temeroso e à espera do pior? Faço-lhe esta pergunta, pois, na minha opinião, a paz é um estado de espírito! É algo que cultivamos e sentimos interiormente, refletindo-se a qualidade do nosso trabalho nas experiências diárias e, consequentemente, na sociedade da qual fazemos parte.

Não adianta pregarmos a importância da paz mundial sem fazermos o nosso caminho individual, até porque frequentemente não é isso que estamos a fazer. Repare que a maior parte das vezes em que se fala de paz, o núcleo de abordagem é tudo o que está menos bem no mundo e, por isso, a bloquear a paz. Isso só causa mais discórdia e sofrimento. Não alcançamos um estado, combatendo o seu oposto. Alcançamo-lo, alimentando o que ressoa com ele, isto é, sentindo e agindo na mesma frequência vibratória dele.

Uma vez, Madre Teresa de Calcutá disse que nunca participaria numa manifestação contra a pobreza, fome, drogas ou o que quer que fosse, pois isso só estaria a reforçar essa realidade. No dia em que organizassem uma manifestação a favor da paz, então aí sim, poderiam contar com ela. Percebe agora a importância que o seu foco tem? Tudo aquilo que beneficia da sua atenção, cresce. Se quer alcançar a paz, foque-se nela e não no que, na sua ótica, a está a impedir.

 

Em silêncio e em paz

Tenho dedicado muito tempo a observar e a treinar as minhas emoções. Este mês convido-o a fazer o mesmo, tendo como objetivo sentir-se em paz. Paz de espírito! Afinal de contas, a vida será tão mais bonita quanto melhor se sentir, certo? Isto para não falar que quanto melhor se sentir, mais rápido atrairá tudo aquilo que deseja e viverá todas as experiências que visualiza na sua mente.

 

É chegado o momento de estabelecer uma nova prioridade na sua vida: sentir-se predominantemente e maioritariamente bem. Ao fazê-lo, estará no caminho da felicidade e da tão desejada paz.

 

Gostava que repescássemos a metáfora referida no início deste artigo, já que ela espelha bem a importância dos estados internos. Para ajudar-nos a aprofundar este conhecimento, chamo à coação uma curtíssima frase proferida por Oprah Winfrey: “Be still” (Permaneça quieto). Poderá estar a questionar-se do porquê desta alusão, mas todas as dúvidas se dissiparão com a seguinte pergunta: tem por hábito permanecer quieto, apenas consigo, alguns minutos todos os dias, por forma a perceber qual o próximo passo a dar? Tem por hábito escutar-se, isto é, escutar a sua voz interior, que sabe o caminho a seguir?

A paz alcança-se descobrindo a quietude que mora no interior de cada um de nós. Aprendi com a personagem mediática supracitada que a vida comunica connosco diariamente, a cada momento se, para isso, tivermos a humildade de a escutar. É uma voz que fala muito baixinho, pelo que devemos aprender a permanecer imóveis, sentindo a paz a florescer dentro de nós, paz essa que, na verdade, nunca nos abandona.

Muitas vezes, optamos por tapá-la com os cobertores da amargura, raiva, ansiedade e vingança, mas ela está sempre lá, pronta para o abraçar. A única coisa que lhe pede é que pare e a escute, para que, humildemente, ela possa segredar-lhe a rota a seguir. Ouça o seu GPS interno, ele sabe o caminho que lhe trará mais felicidade. Mais paz.

Paz

Não julgue, agarre-se à sua paz

Vou partilhar a indicação que recebi há uns meses quando me foi oferecido um dos famosos “bolinhos da sorte” japoneses. Ao abri-lo, tinha a seguinte frase: “Seja a energia que quer atrair!”. Hoje, se me permite, sou eu que lhe deixo uma frase: no mês em que se celebra a paz, seja paz!

Procure dentro de si a fonte de bem-estar capaz de o alimentar continuamente. Sempre que contactar com algo ou alguém desalinhado com a visão que tem do mundo, não lhe resista. Não desate a apontar críticas ou a fazer julgamentos. Aprecie simplesmente esse contraste e siga com a sua vida, agarrando-se à âncora da paz. Da sua paz.

Desejo que a celebração que fazemos este mês o acompanhe ao longo da vida, em momentos de felicidade e de desafio. Em momentos de glória e de crescimento. Lembre-se: a paz é o seu estado natural. Por isso, só tem de voltar a casa. De onde nunca chegou a sair.

Seja a pessoa que deseja ser. Seja a pessoa que cumpre todos os seus sonhos. Seja a pessoa que vive em paz e faz deste, um mundo melhor.

 

 

Tiago Gonçalves | Instagram

Mestre em Ciências Farmacêuticas e Trainer de Soft-Skills

tiago.m.goncalves15@gmail.com

Anterior Dia Mundial da Doença de Alzheimer
Seguinte Tratar a ansiedade: o poder da hipnose