Yoga e Meditação na Natureza


Young girl in lotus pose outdoors

Os benefícios

As férias nunca foram tão desejadas como este ano! Após o confinamento a que estivemos sujeitos, estar ao ar livre, em contacto com a Natureza e respirar ar puro tornou-se uma necessidade. Os tempos incertos que vivemos levam-nos a refletir sobre a efemeridade das nossas vidas e apelam ao fortalecimento interior.

A prática do Yoga e da Meditação, que têm por base uma sabedoria milenar, podem ser ferramentas muito úteis para mantermos o equilíbrio e encontrarmos a serenidade interior que nos permite dar a melhor resposta aos novos desafios. Aproveite as suas férias para dedicar um pouco do dia a esta prática salutar, que pode ser feita em família, num local arejado, na praia ou no campo, em contacto com a Natureza. Leve um livro que explique as posturas básicas ou procure na Internet uma sequência do seu agrado e implemente o hábito de praticar diariamente. Comece por posturas simples, para que o corpo as realize com facilidade. Quando o corpo estiver a responder bem, aumente ligeiramente a dificuldade. Pratique tendo total consciência do seu corpo, levando a atenção para o interior e para a respiração, que deve ser feita pelo nariz. Esta suavidade de movimentos e atenção à respiração são tão importantes quanto as posturas, pois trazem o relaxamento imprescindível para a libertação de tensões no corpo e na mente. Em Yoga, dizemos que as posturas são auxiliares por prepararem o corpo e a mente para atingirem um estado de relaxamento profundo e Meditação.

Fonte inesgotável de serenidade

A  Natureza é uma grande fonte de energia e quando estamos imersos nela sentimo-nos mais calmos, leves e despreocupados. Sentirmo-nos bem deveria ser o nosso estado natural, mas as dificuldades da vida centram a mente na incerteza e a emoção do medo apodera-se de nós. Por vezes, vivemos tão afastados do nosso estado natural, que perdemos o contacto connosco e deixamos de saber quem somos ou o que queremos. Estar na Natureza é uma forma subtil de resgatarmos a nossa natureza. A beleza e tranquilidade de um espaço natural são um convite à serenidade e, gradualmente, libertamos o stress e recuperamos um novo ânimo. Praticar Yoga e Meditação em ambientes naturais eleva ainda mais a consciência de quem somos e aumenta o nosso campo energético. É uma forma eficaz de criarmos uma relação harmoniosa entre o interior e o exterior. Toda a prática do Yoga é concebida para nos colocar em contacto com a nossa dimensão interior, onde existe força, alegria e beleza.

Foco no interior

O Yoga parte da atenção ao corpo e da respiração para acalmar a mente, o que nos traz enormes benefícios. Uma mente saudável traduz-se num corpo igualmente são. As posturas ou asanas são terapêuticas e têm o objetivo de ajudar o corpo a permanecer saudável e flexível o maior número de anos possível, contrariando o envelhecimento. As posturas, na sua maioria estáticas, devem ser praticadas de forma confortável, ou seja, de acordo com aquilo de que o corpo é capaz neste momento. Um dos primeiros princípios do Yoga é a não violência, ahimsa. Não queremos violentar o corpo (nem a mente com pensamentos negativos). Por isso, a prática deve ser ajustada ao estado do corpo. Para que a postura seja bem executada, a atenção terá de estar no interior. Esta focalização da atenção no interior, a que a prática das posturas e dos exercícios respiratórios nos leva, desperta uma maior consciência do corpo que, com a prática, vai dando o seu melhor. O corpo agradece a atenção que lhe prestamos, traduzindo-se em bem-estar físico e equilíbrio interior.

Organismo purificado

Uma grande parte das posturas de Yoga foram inspiradas na observação da Natureza e dos animais. A sequência de posturas conhecida por Saudação ao Sol procura descrever o movimento do Sol ao longo do dia e agradecer-lhe pela vida na Terra. Os alongamentos que se fazem à coluna imitam os cães e os gatos que se esticam dessa forma instintivamente. As posturas de equilíbrio numa só perna lembram o pássaro que sustenta o peso do seu corpo apenas numa perna ou a árvore inabalável,  ensinando-nos a concentração. Todas as posturas são pensadas para ajudar o corpo a autorregular-se e beneficiam todos os seus sistemas, desde o sistema digestivo ao imunitário. Por exemplo, as torções (sentado ou deitado) ajudam o sistema sanguíneo a libertar-se das impurezas. Quando rodamos o tronco para um lado e uma das pernas para o outro estamos a bloquear o fluxo sanguíneo num dos lados. Isso obriga o sangue a circular pelo caminho que encontra livre e faz com que o fluxo sanguíneo seja superior na zona desimpedida. Esse fluxo acrescido de sangue funciona como uma comporta que se abre, arrastando as impurezas das veias. Fazemos isso de um lado, desfazemos a postura, sentimos o fluxo sanguíneo retomar todas as partes do corpo e depois fazemos do outro lado. Saboreie a agradável sensação que as posturas trazem ao corpo, à medida que respira. Com uma prática regular de três meses ajudará o organismo a purificar-se.

Respirar para libertar

A respiração é uma excelente forma de estarmos em contacto connosco. A maior parte das vezes, a nossa atenção está no exterior e deixamos de escutar o que se passa dentro de nós. Traímos a nossa própria confiança. Praticar Yoga e Meditação ajuda-nos a recuperá-la, pois ensina-nos a escutar o corpo e a observar o que nos vai na mente e no coração. Através dos exercícios respiratórios ou pranayamas, que consistem na focalização da atenção na respiração, oxigenamos o cérebro e elevamos a energia vital, prana. A respiração completa, que preenche a cavidade pulmonar e o abdómen, eleva a capacidade respiratória, ensinando-nos a respirar corretamente. A respiração alternada, que se executa sentado, tapando alternadamente cada narina, visa desbloquear as vias respiratórias e acalma o sistema nervoso central. A respiração consciente ajuda a relaxar e a libertar tensões, levando a uma respiração mais profunda e pausada, criando estados de consciência tranquilos que elevam a saúde física e mental. Os pranayamas realizados ao ar livre tornam a prática mais intensa. Deixe-se conduzir pela paisagem que o envolve, à medida que inspira e expira, lenta e profundamente. Saboreie cada movimento da respiração, até se sentir preparado para o passo seguinte: a Meditação.

Menos stress, mais bem-estar

A Meditação consiste num exercício de pura observação. Feche os olhos e observe o ar que entra e sai do corpo, com suavidade e, à medida que inspira e expira, sinta-se a relaxar. Entregue-se a este momento em que nada mais é importante e focalize a atenção na respiração. Se estiver imerso na Natureza sentirá a brisa do vento no rosto, os aromas das flores, a frescura das sombras e ouvirá o canto dos pássaros ou o marulhar das águas. Funda-se com a paisagem envolvente, sabendo que também faz parte desta incrível orquestração. Se a mente divagar (o que certamente acontecerá), imagine o pensamento ou emoção a serem levados pelo vento, até estarem bem longe e, de novo, centre a atenção na respiração. Continue a sua observação atenta. A mente acabará por se esvaziar, nem que seja apenas durante uma fração de segundos.  Permaneça nesse estado de zero atividade o máximo de tempo que conseguir. Quando terminar irá certamente sentir-se mais sereno e energizado.

O relaxamento e a Meditação levam o cérebro a funcionar em ondas alfa e, por vezes theta ou delta, o que nos traz uma agradável sensação de serenidade e bem-estar. As pesquisas demonstram que a prática regular diminui a produção da hormona do stress, cortisol, e aumenta a hormona do bem-estar, serotonina, elevando as defesas do organismo e a criatividade. Pratique e sinta em si mesmo os benéficos.

Maria João Viana
Espaço Maria João Viana (Porto)
Yoga, Meditação e Aconselhamento
mariajoaoviana1@gmail.com

Anterior Manutenção da casa de banho
Seguinte John C. Maxwell